17 de set de 2009

Novas Alianças

O Partido Progressista (PP) no Maranhão entrou em fase de conclusão das alianças para deputado estadual com vistas às eleições do próximo ano. Na manhã desta quarta-feira (16), importantes lideranças políticas assinaram as fichas de filiação da legenda, abonadas pelo presidente da Executiva Estadual do PP, o deputado federal licenciado Waldir Maranhão.

Os novos quadros do PP Murilo Santos e Jerônimo Cavalcante Filho desempenham um forte e reconhecido trabalho no segmento das pessoas com deficiência no estado. Os planos da legenda é que eles lancem candidatura única, respaldada no histórico de lutas de ambos.

Atualmente, Murilo Santos ocupa a presidência da Federação Estadual das Associações Pestalozzi, e Jerônimo Filho dirige a Federação das Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) do Maranhão. As duas federações são responsáveis por aglutinar mais de 135 instituições na capital e interior do estado, que realizam cerca de 20 mil atendimentos diários.

Murilo Santos destacou que o número de atendimentos prestados pela Pestalozzi e APAE ainda está aquém do necessário, uma vez que a população maranhense com deficiência supera os 900 mil, segundo dados do IBGE. “É preciso que fique claro que essa nossa investida para deputado estadual não se trata de um projeto individual. A representatividade na Assembléia Legislativa nos permitirá melhorar ainda mais esse atendimento”, informou ele. 

Waldir Maranhão, que é secretário de estado da Ciência e Tecnologia do governo Roseana Sarney, disse que é uma satisfação recebê-los no partido. Na avaliação dele, é salutar que Murilo Santos e Jerônimo Filho, como representantes do segmento de pessoas com deficiência, ocupem espaço político para que isso se reverta em benefícios para a comunidade.  

Na avaliação de Jerônimo Filho, o PP é um partido em franca ascensão e que reúne todas as condições para garantir uma campanha vitoriosa a deputado estadual. Essa é a mesma opinião da apresentadora de TV, Sirlan Sousa, que também se filiou no Partido Progressista, nesta quarta-feira (16), a convite do secretário Waldir Maranhão. “Para mim é uma grande honra fazer parte do PP. Tenho certeza que estou fazendo uma ótima aliança em prol do desenvolvimento do nosso estado”, observou ela.       

 O coordenador do processo de expansão da legenda, Lauro Assunção, informou que o partido espera um grande número de filiações diárias até o próximo dia 30. “Estamos mobilizando todos os candidatos com potencial entre 8 e 10 mil votos e a nossa expectativa é eleger em torno de oito deputados”, informou ele.       


4 de set de 2009

Arari:Cidade de Fé e Desenvolvimento

É com muita honra que me dirijo hoje aos ararienses. O município de Arari, da  nossa querida Baixada Maranhense, vem despontando no cenário nacional como a capital do surf na pororoca, trazendo ao nosso Estado turistas de todo o mundo; a Arari da famosa Festa da Melancia; a Arari de técnicas pioneiras na plantação de arroz e, sobretudo, de fé e devoção que,  neste mês, celebra  uma das maiores e mais tradicionais  festas religiosas do Estado: a Festa de Bom Jesus dos Aflitos.

A exteriorização da fé pelas centenas de romeiros que começam a chegar de outros municípios e até de outros Estados, seja para pagar promessas, agradecerem ou pedir novas bênçãos é um retrato da identidade cultural de Arari. Os festejos de Bom Jesus dos Aflitos, marcados por sua procissão, pelas seculares ladainhas e novenas, mostram que sua tradição continua viva e presente.

A fé faz parte da cultura de um povo, de suas tradições, de seu patrimônio cultural e, de maneira nenhuma, deve ser dissociada do seu progresso. Não se pode deixar de lado as raízes históricas dos municípios em seu processo de desenvolvimento. Não podemos permitir que sejam suplantadas, mas sim vistas como geradoras de riquezas, fator de coesão social e elemento de promoção local.

O Maranhão está diante de um grande desafio: a popularização da ciência com vistas ao desenvolvimento. E esse desafio vai demandar mais ciência e tecnologia para que nossa população possa ter acesso a este conhecimento, concomitante ao fortalecimento de suas tradições locais. Para isso, o Governo do Estado tem se empenhado na busca de soluções para a criação de políticas públicas adequadas às realidades locais.

É necessário olhar para o Maranhão para descobrir aquilo que é o potencial de cada município. O Maranhão possui uma vocação agrícola que deve ser incorporada a uma proposta que absorva este conhecimento e que seja integrada em produções que contribuam para a elevação da economia do Estado. Arari, que já teve um grande destaque na produção de arroz, foi pioneira na técnica de produção de mudas de arroz, que serve de referência para vários municípios. Técnica esta que também foi levada, inclusive, a outros países; É um exemplo de como as tradições locais podem e devem ser consideradas no processo de desenvolvimento tecnológico.

Olha-se muito para o passado com nostalgia quando se diz que o Maranhão foi um dos grandes produtores agrícolas do Brasil, mas hoje é preciso definir novas cadeias produtivas preservando ou estimulando aquilo que é a nossa vocação e só a ciência e a tecnologia nos dará este suporte para que possamos avançar.

Festejemos, pois, nossas tradições! Festejemos Bom Jesus dos Aflitos! Festejemos  Nossa Senhora das Graças! Festejemos a Pororoca! Festejemos a melancia! Festejemos o progresso que se vislumbra a partir de um passado rico que deixou plantado nesse solo fértil de homens e mulheres trabalhadoras a semente de um futuro próspero.

2 de set de 2009

Uma atividade marginal

Diante do exagero como buscam cumprir a encomenda, os jornais que aceitaram a missão de desconstruir a imagem do senador José Sarney findam por se expor ao descrédito. É que não dá para tachar como ilícita a nomeação de uma pessoa para um cargo em comissão no Senado e, ao mesmo tempo, apresentar Fernando Henrique Cardoso, o grande aliado de Serra, como bom moço. Seriam dois pesos e duas medidas.

Como todos sabem, a filha do ex-senador e ex-presidente FHC, Luciana Cardoso, era até pouco tempo funcionária do Senado. Quem teria pedido por ela? Além disso, alguém se recorda onde trabalhava, durante o governo Fernando Henrique, o sr. David Zylbersztajn, seu genro? Não me consta que esses agressivos jornais tenham condenado FHC por esses assuntos que em Sarney consideram da maior gravidade. Mas fiquemos por aqui, pois a intenção não é agredir FHC, mas tão-somente comprovar a parcialidade da imprensa serrista.

Até mesmo porque FHC e Sarney são brasileiros e estão sob a égide de uma mesma legislação. Ambos são ex-presidentes e referências máximas de seus respectivos partidos: PSDB e PMDB. Em breve, Lula será também ex-presidente e referência máxima de seu partido, o PT. Todos eles merecem tratamento justo como qualquer outro cidadão brasileiro.

Mas se a imprensa serrista quer apresentar o xingamento ao senador Sarney como jornalismo investigativo, algo impessoal, que mande levantar quem são os funcionários do Congresso Nacional e, nesse caso, quem é parente de quem. Com isonomia, sim, a reportagem merecerá respeito. Mas da forma como o noticiário está sendo fabricado, os ataques ao senador Sarney ganham aparência de serviço de pistolagem.

De tudo isso, porém, passada essa turbulência artificial, até porque o embuste não irá muito longe, duas questões irão requerer um amplo debate nacional: a liberdade de imprensa e a inviolabilidade do segredo de Justiça.

É que, no Brasil, a violação ao segredo de Justiça virou uma desordem sem tamanho. Em nome da liberdade de impressa, algo tão louvável quanto útil, grupos político-empresariais contratam os profissionais da ofensa para pôr em prática suas estratégias de poder. Diferente de outros países, a nossa legislação não dispõe de instrumentos para punir os compradores de tais informações, o que permite o seu uso criminoso como estamos a assistir.

A nossa Carta Magna garante, entre outros, dois princípios fundamentais à democracia: a liberdade de imprensa, ou seja, o direito de informar a verdade, e os direitos e garantias fundamentais, a exemplo da intimidade, da vida privada, da honra, da imagem. Claro que entre o direito de informar, que é um bem coletivo, e o direito à honra, que é um bem individual, prevalece o coletivo. Todavia, para que essa lógica tenha legitimidade, é preciso que a informação seja verídica.

Ora! Não é a isso que estamos assistindo. O grande malabarismo da imprensa serrista na semana foi a publicação de “grampos” sob o título: “Gravações ligam Sarney aos atos secretos no Senado”. Para começar, a conclusão é fantasiosa, coisa da cabeça do autor da manchete. A informação não é verídica, pelo contrário, constitui uma grosseira falsidade ideológica.

Por outro lado, é bom que fique claro, quem compra e publica informações surrupiadas de processos judiciais em segredo de Justiça está a se servir de uma mercadoria ilegal. É como o receptador de um bem furtado. Uma atividade marginal. Ainda mais quando utilizado com distorções para cometer crimes contra a honra alheia.

13 de jul de 2009

Um interesse faccioso

Professor Waldir Maranhão

O mesmo segmento da imprensa de São Paulo, cujo governador é o candidato tucano à sucessão do presidente Lula, divulgou mais uma matéria com ataque frontal ao senador José Sarney. Partindo de suposições tendenciosas, desta vez contra a fundação que leva o nome do ex-presidente da República, o repórter-emissário chega a conclusões afoitas e distorcidas, tudo a serviço de um poderoso grupo político-empresarial que quer a todo custo retomar o comando do país.

Esgotado o rol de ofensas ao parlamentar José Sarney, eis que agora se voltam para a fundação que tem como presidente de honra. Embora sabendo que o senador não participa da administração da entidade, assacar contra ela foi a forma que encontraram para tentar solapar a imagem e o prestígio do ex-presidente da República.

Ninguém desconhece que esse ataque, sob a aparência de uma investigação jornalística, é na verdade a seqüência de uma campanha difamatória que já se arrasta há cinco meses. A acusação de que a entidade teria feito má utilização de recursos recebidos da Petróbras busca na verdade forçar a instalação de uma CPI contra a empresa, objeto de grande disputa no Senado Federal.

A correta aplicação dos recursos foi afirmada em nota pelo presidente da fundação, José Carlos Sousa Silva, pessoa sempre respeitada pela forma digna e responsável como conduz sua vida e seu trabalho. O exame criterioso das contas pelo Ministério da Cultura e pelo Tribunal de Contas da União terá muito mais valor que os mexericos de um repórter que aqui não veio em busca da verdade, mas tão-somente com o propósito de alimentar um pretenso escândalo. Quem leu a matéria notou claramente a afoiteza das conclusões.

Como todos se lembram, esses ataques começaram com a vitória do senador Sarney para presidência do Senado Federal. Sua eleição favoreceu a aliança do PMDB com o partido do presidente Lula, o PT, e ninguém desconhece que essa coligação se torna imbatível nas eleições presidenciais de 2010. Está aí a origem de toda essa enxurrada de ofensas, distorções e intrigas.
Os interesses político-empresariais que promovem essas agressões estão transformando a político nacional num verdadeiro pântano.

O certo é que a perseguição ao presidente do Senado Federal, por conta dessas motivações, precisa ser denunciada à nação. Os brasileiros precisam saber que um seguimento da imprensa do sul do país usa seu poder para destruir a reputação dos que não se submetem aos seus caprichos e interesses. Acham-se poderosos o suficiente para determinar quem deve ou não governar o país. Querem interferir nas decisões políticas do PMDB, especialmente na questão sucessória, a partir do constrangimento, da ofensa, da intimidação.

Inconformados por não terem os peemedebistas na candidatura tucana, o que eles desejam mesmo é forjar um ambiente de rejeição ao ex-presidente José Sarney, imaginando, com isso, quebrar o entusiasmo da possível aliança PT-PMDB. Mas não serão mais uma vez derrotados no embuste que tentam construir.

Deputado Federal licenciado e presidente da Executiva Regional do Partido Progressista

10 de jul de 2009

Capacitação Profissional é destaque em Fórum sobre Refinaria no Maranhão

A criação de 132 mil novos empregos é a expectativa para o processo de implantação da Refinaria Premium da Petrobras no Maranhão. Estes foram os números apresentados pelo diretor de Abastecimento da empresa petrolífera, Paulo Roberto Costa, durante o lançamento do Fórum Regional do Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural (Prominp) e Workshop de Desenvolvimento de Fornecedores, realizado nesta sexta-feira (10), no Centro de Convenções Pedro Neiva de Santana, em São Luís.

Para o diretor de abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, a Refinaria Premium do Maranhão será um dos maiores empreendimentos da história da instituição e será administrada, em quase sua totalidade, por maranhenses.

Na solenidade de abertura que contou ainda com a presença do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, do diretor da Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural, Allan Kardec Barros e da governadora Roseana Sarney, o secretário da Ciência e Tecnologia do Estado (Sectec), Waldir Maranhão destacou o trabalho que vem sendo realizado pela Sectec no sentido de promover a capacitação em todas as regiões do estado.

Com esse foco, a secretaria de Ciência e Tecnologia, responsável pela gestão da Educação Profissional do Estado, vem se articulando com universidades públicas no Maranhão (Ufma, Uema, Univima e Ifet) para trabalharem na mobilização dos atores sociais neste primeiro momento. Segundo Waldir Maranhão, a vinda da Refinaria para o estado é um projeto que trará possibilidades de emprego desde o canteiro de obras até a mão-de-obra especializada. Segundo ele, este é um projeto estratificado, e a Sectec tem o papel de uma grande articuladora dentro e fora do estado com os setores produtivos. Outra parceria importante será com o sistema “S”, através do Sesc e Senai que já acumulam esta experiência. Para o secretário, será uma equação construída por todos. Portanto, desde a fase inicial até a fase posterior será possível preparar cursos específicos para o empreendimento, como na área de Petroquímica e Direito Ambiental, por exemplo. “Será um impacto social através do conhecimento”, prevê o secretário.

A governadora Roseana Sarney em seu discurso fez questão de reforçar a importância do investimento que considerou um marco na história do Maranhão. Ela destacou o investimento de 20 bilhões de reais para a fase de implantação da Refinaria e que a unidade do Maranhão será responsável por 50% do aumento da produção previsto pela Petrobras nos próximos anos.

Para a governadora o maior desafio é preparar os maranhenses para este momento. “Vejo milhares e milhares de operários entrando nas fábricas”, projetou.

A Sectec está envolvida com as demais secretarias de Estado e com a Petrobras, através da ANP para que se criem as pré-condições para a capacitação da mão-de-obra local desde a fase de implantação da refinaria, até o momento em que ela estiver em pleno funcionamento, para dar vazão a esta grande demanda.

Para Waldir Maranhão, esta é uma ação de governo que precisa ser popularizada. Segundo ele, o povo tem que compreender que a vinda da Refinaria vai mexer com todos os municípios do Maranhão e não só com o município de Bacabeira. O secretário ressalta que se o povo do Maranhão tiver a percepção de que este empreendimento vai atingir todo o estado, será criado o sentimento de oportunidades e aí a secretaria de Ciência e Tecnologia fará sua parte, fazendo chegar a cada município um ponto de recepção da Universidade Virtual do Maranhão (Univima) para que, naquele local, seja possível colocar entre 30 e 40 pessoas para serem preparadas para o exame nacional que será promovido pelo Prominp.

8 de jul de 2009

No “tapetão”

O presidente Lula é contra o afastamento do senador José Sarney. Sua posição não decorre só em razão da governabilidade, algo essencial ao país, mas também pela visível manobra como a oposição quer assumir o controle do Senado Federal.

A crise da instituição, de inspiração político-eleitoreira, e que vinha prosperando pela desenvoltura de uns e a omissão de outros, é alimentada em grande parte pela articulação de um poderoso seguimento da imprensa do sul do país, cuja preferência pelo candidato tucano é assumida abertamente.

A verdade é que o grupo de apoio à candidatura de José Serra nunca escondeu o desejo de formar aliança com o PMDB, que tem no senador Sarney um dos mais importantes líderes. Foram muitas as incursões com esse objetivo. Percebendo, porém, que a chegada de Sarney à presidência do Senado trouxe mais força ao grupo aliado do presidente Lula, o que praticamente consolidou a coligação do PMDB com os petistas para as eleições de 2010, os articuladores da candidatura tucana decidiram atacar o ex-presidente numa vã tentativa de fortalecer a ala serrista do PMDB.

Claro que a ação difamatória também busca desgastar a imagem pública do senador Sarney e reduzir o seu expressivo peso político, já que o tomam em definitivo como adversário na sucessão presidencial. Em verdade, tentam lhe impor uma retaliação sob o falso manto de um enfrentamento de cunho moral. Um embuste tão odioso quanto desleal.

Acontece que as falsas denúncias até aqui lançadas perderam força por falta de consistência, e agora precisam de fatos novos que realimentem o pretenso escândalo. Trata-se de um grupo bem estruturado, cuja missão é manter pairando em volta do senador um clima de suspeição e desconforto. E quando ele consegue reunir as provas que desmontariam tais montagens, não consegue expô-las, pois nova insinuação é feita de modo planejado a dificultar a defesa.

É nesse contexto que o equívoco do senador em não relacionar uma casa na declaração de bens ao TER torna-se um prato cheio aos estrategistas da crise, ainda que o erro não revele má-fé. O imóvel sempre esteve declarado à Receita Federal e ao TCU, e é pacífico o caminho para correção do engano nitidamente voluntário: uma posterior declaração retificadora ao TRE.

Embora a assessoria do Senador Sarney já tenha explicado as circunstâncias do equívoco, deixo aqui três indagações: a) que vantagem obteve o senador Sarney com tal equívoco? b) Se já estava declarado à Receita Federal, que outra razão levaria um candidato a não declarar ao TRE o imóvel em que reside? c) Isso mudaria o voto de algum eleitor? Todos sabem que essas informações ao TER em geral são feitas por um contador, quase nunca pelo candidato. Por tudo isso, os que noticiam esse fato como escândalo ficam naturalmente com a obrigação de apontar o proveito econômico ou eleitoral decorrente.

No mais, vale a pena aqui registrar a opinião do líder do PT no Senado, senador Aloizio Mercadante (SP): “O DEM teve a chave do cofre nos últimos 14 anos e agora diz que não tem nada a ver com a crise”. Disse também, que nesse período, o senador Sarney foi presidente da casa por apenas 4 anos. E concluiu dizendo que o DEM tem “uma responsabilidade administrativa imensa” pela crise no Senado uma vez que mantém a primeira secretaria sob seu comando há pelo menos três legislaturas.

Coube, no entanto, ao presidente Lula fazer o resumo de toda essa celeuma. No seu entendimento, a oposição quer ganhar a presidência do Senado no “tapetão”. Disse também que essa manobra só interessa ao PSDB. Com certeza!

Deputado Federal licenciado e presidente da Executiva Regional do Partido Progressista
Artigo publicado no Jornal O Estado do Maranhão - 05.07.09

7 de jul de 2009

Seminário destaca ações de Ciência e Tecnologia no Maranhão

O secretário da Ciência e Tecnologia (Sectec), Waldir Maranhão, participou, nesta sexta-feira (3 de julho), do Seminário Excelência Administrativa no Setor Público. O evento contou, em sua abertura, com a palestra de Pedro Henrique Bertolucci, ex-prefeito de Gramado (RS), que tratou da temática central do seminário que acontece até este sábado (4 de julho), no Hotel Abbeville, em São Luís.
Na tarde desta sexta-feira (3), Waldir Maranhão ministrou palestra com o tema: Contribuições do Sistema de Ensino Superior e Tecnológico do Maranhão para a Política de Desenvolvimento Urbano do Estado. O secretário destacou projetos desenvolvidos hoje pela Sectec como o Parque Tecnológico, os Ciema’s, a expansão dos Centros Vocacionais Tecnológicos e o Aula do Futuro. Sobre este último, Waldir declara ser um dos projetos que pode trazer as maiores possibilidades de inclusão social para o estado.
Com foco na temática central do evento, o secretário Waldir Maranhão debateu a criação de cursos voltados para a formação de Gestores Públicos utilizando a tecnologia de educação à distância disponível hoje no estado, o que otimizaria o tempo e diminuiria custos com o processo. “Se os gestores não tiverem uma boa formação, nossos recursos não serão bem aplicados”, ressaltou.
Ainda em sua palestra, o secretário destacou também a importância que deve ser dada à educação profissional no estado. Com esta visão a Sectec prevê a criação de mais 40 Centros Vocacionais Tecnológicos (hoje o estado possui apenas um) que trabalharão de forma integrada às necessidades de cada região, apoiando-se nos Arranjos Produtivos Locais.
Para Waldir é importante que a Educação Profissional seja tratada de forma diferenciada atentando às suas especificidades. “É preciso definir uma rede onde a Educação Profissional deixe de ser vista como um subproduto da educação tradicional” alertou.
Para ele, todo este processo está sendo construído através de um novo momento no Estado do Maranhão onde as ações estão sendo realizadas de forma integrada nos campos político e acadêmico, com foco no desenvolvimento do povo maranhense.
Aula do Futuro
O projeto visa promover a Educação Continuada de Professores, a melhoria dos índices nacionais na área de Educação (Ideb), bem como a preparação de jovens para oportunidades no mundo do trabalho. Somente através da Univima, o projeto prevê a criação de cerca de 150 mil vagas a alunos e professores do ensino público, distribuídas entre cursos preparatórios para o Enem, para o Prova Brasil, para o Encceja e para o ingresso ao Ensino Superior. Ao longo do mesmo período está prevista ainda a oferta de aproximadamente 50 mil vagas em cursos de preparação para o mundo do trabalho, tendo em vista a demanda dos cursos de capacitação voltados para a refinaria a ser instalada pela Petrobras, no Maranhão.
Participaram ainda do evento Márcio Galvão, da Secretaria de Saneamento do Ministério das Cidades e o deputado estadual Hélio Soares.

6 de jul de 2009

Governo do Estado inicia cursos de MBA

O Governo do Estado, através da Universidade Virtual do Estado do Maranhão (Univima), realiza nesta terça-feira (07) a solenidade de abertura dos Cursos de Pós Graduação (MBA) em Gestão e Ensino de Ciências, Tecnologia e Inovação e o MBA em Gestão em Tecnologias da Informação, Comunicação e Inovação. A solenidade acontece a partir das 9h no Auditório do Sebrae Jaracaty.
Participarão da solenidade o secretário Waldir Maranhão (SECTEC), o secretário adjunto Lauro Assunção, a vice-reitora da Univima, Denise Magalhães Lobão, a presidente da Fundação Gomes de Sousa, Carmem Miranda Marques, o Coordenador Geral do Centro de Capacitação Tecnológica do Maranhão, Francisco Solon Lula, entre outras autoridades convidadas.
O objetivo dos cursos é qualificar recursos humanos disponíveis no Maranhão, principalmente professores e técnicos do estado. Os cursos contam com a metodologia de ensino à distância e funcionarão com a estrutura tecnológica da da Univima, em conjunto com a Fundação Gomes de Sousa e a Veris Educacional.
Para Waldir Maranhão a oferta de cursos desse nível é de extrema importância para a qualificação dos profissionais atuantes no estado. "É preciso darmos condições de capacitação profissional em todos os níveis para não perdermos este conhecimento para estados vizinhos", alertou.
A programação para o início das atividades dos cursos de MBA se estende até a quarta-feira (08). Dentro do cronograma será repassada aos alunos todas as informações necessárias para o desenvolvimento do curso, entrega das apostilas do primeiro módulo e apresentação do ambiente virtual de aprendizagem.
Na tarde da quarta-feira, às 14h será proferida a primeira videoconferência da disciplina – Empreendedorismo em negócios de Base Tecnológica (comum aos dois cursos). Para cada turma existirá um professor on-line disponível para esclarecer dúvidas e mediar os debates nas videoconferências e também a presença de um assistente educacional em cada um dos 11 polos.
O MBA tem conclusão prevista no prazo de 20 meses.
MBA - MBA é a sigla, em inglês, para Master in Business Administration, ou, em Português, Mestre em Administração de Negócios. Traduzindo, MBA é um curso de formação de executivos, nas diversas disciplinas da administração, onde são estudadas matérias de marketing, finanças, RH, contabilidade etc

25 de jun de 2009

Waldir Maranhão representa governador em reunião da Sudam

O secretário de estado da Ciência e Tecnologia, Waldir Maranhão, participa nesta sexta-feira (26), em Palmas, no estado do Tocantins, do V Fórum de Governadores da Amazônia Legal e da 5ª Reunião Ordinária do Condel/Sudam - Conselho Deliberativo da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia. Como anfitrião da programação, o governador Marcelo Miranda presidirá a solenidade de abertura dos trabalhos, às 8h, no Palácio Araguaia.


Uma das pautas da reunião dos conselheiros da Sudam tratará da política de apoio à pesquisa de desenvolvimento de novas tecnologias e o secretário Waldir Maranhão foi convidado pelo então governador em exercício, João Alberto de Souza, para representá-lo nos dois importantes eventos.


O Fórum de Governadores, que reúne gestores dos estados que compreendem a região da Amazônia Legal – Roraima, Amazonas, Acre, Pará, Amapá, Mato Grosso, Rondônia, além do Maranhão -, também debaterá temas relacionados à elaboração do Plano Regional de Desenvolvimento da Amazônia e às atividades do Fundo Constitucional do Norte.


Com o objetivo de fortalecer a política de desenvolvimento sustentável, o Fórum discutirá mecanismos de cooperação regional, nacional e internacional que contemplam, por exemplo, a remuneração por serviços ambientais, investimentos em educação, saúde, energia, transporte, e produção de conhecimento.


Durante o evento será realizada a 3ª Reunião da Comissão Gestora do Plano Amazônia Sustentável, que será presidida pelo ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Mangabeira Unger.